Make your own free website on Tripod.com

A NATUREZA

Diabetes Saúde SAUDE HOME HOME
Atualizada em 29 Apr 2000

É muito comum, no Brasil, a utilização de plantas e ervas no tratamento de diversas doenças, principalmente no interior. Por indicação de vizinhos e "comadres", ingere-se uma enorme variedade de chás, xaropes e garrafadas, a transmissão desse conhecimento empírico, através das gerações, com raiz, provavelmente, na tradição dos índios e dos escravos, merece apenas uma tímida curiosidade da ciência, fazendo com que pouco se saiba da verdadeira ação destes preparados. Com o diabetes não é diferente, tornando necessário a discriminação das substâncias que, verdadeiramente, tem uma ação efetiva como coadjuvante no tratamento. Isso quer dizer que, o tratamento com ervas não substitue a necessidade de acompanhamento por um profissional de saúde, mas exige que esse profissional não o subestime e tenha ciência de sua ação. Vamos listar as plantas mais utilizadas no tratamento do diabetes, acrescentando a seguinte informação:

Uso empírico, sem nenhuma confirmação científica.

perigo

Experiências com resultados insatisfatórios, divergentes ou em andamento.

cuidado

Esperiências com resultados positivos. Comprovação clínico-laboratorial dos efeitos.

bom

Resultados comprovados, inclusive com a identificação da substância ativa

ok

-Bajerú (Chrysobalanus icaco L.) também conhecida como abajerú ou guajerú. Utiliza-se o chá (infusão) de suas folhas. Pesquisas realizadas,demonstraram ação hipoglicemiante significativa no diabetes tipo II. ok

bajeru.jpg (4997 bytes)

Bajerú

-Café (Coffea arabica L.) é o nosso conhecido café. Cozinha-se 4 gramas de grão crú para um copo (200ml) de água, para se tomar à noite. É hipoglicemiante. bom

café
Café

-Jambolão (Eugenia jambolana Lam) também conhecido como jamelão ou jambul. Originária da Índia, a árvore pode atingir até 10 metros de altura, com muitos galhos. Folhas lisas e brilhantes, flores brancas ou cremes, frutos pequenos, ovóides de cor roxa, quando maduros. Polpa carnosa envolvendo uma semente. Macerado de 0,5 a 1 grama de sementes secas em um copo (200ml) de água fria, duas a tres vezes ao dia; ou 2 gotas do suco obtido de sementes esmagadas, dissolvidas em um pouco de água, tres vezes ao dia. É comprovada em estudos, a redução do açúcar urinário. ok

jambolão jambfruto
Jambolão Fruto maduro do Jambolão

-Lobeira (Solanum grandiflorum) também conhecida por fruta-de-lobo, usada pelos índios Xavantes. É um arbusto que pode chegar a 3 metros de altura e possui galhos com espinhos. É encontrada na região do cerrado, no nordeste e em São Paulo. Os frutos são amarelos, quando maduros, com a polpa amarelada e numerosas sementes. Ralar o fruto e colocar em água por 24 horas, coar, secar e transformar em pó (o macerado), usar de 1 a 3 gramas duas a tres vezes ao dia. É hipoglicemiante, e os estudos indicam ação nas células do pâncreas. bom

lobeira fruto da lobeira
Lobeira O fruto A flor

-Pata-de-vaca (Bauhinia candicans) também conhecida por unha-de-vaca, unha-de-boi, mororó, casca-de-vaca, bauínia, unha-de-anta, capa-bode, pé-de-boi, casco-de-burro ou unha-de-veado. A árvore mede de 5 a 9 metros de altura, requer solo fértil para se desenvolver e é encontrada com facilidade no sul do Brasil, à beira das estradas. Sua atividade hipoglicemiante foi estudada, pela primeira vez, em 1929, e doze anos depois, foi identificado seu princípio ativo. Em 1984, descobriu-se sua atividade reguladora da diurese. Usa-se o chá de suas folhas, preparado com 1 grama de folha seca para cada 250ml de água fervente. Toma-se uma xícara tres vezes ao dia. É hipoglicemiante e diurético, e o princípio ativo é uma glicoproteína. ok

Pata de Vaca Folhas e flores Pata de Vaca

pata de vaca

Sementes e casca do tronco

Folhas

-Melão-de-São Caetano (Momordica charantia) também conhecido como erva-de-lavadeira, fruta-de-cobra, erva-de-são-vicente ou erva-de-são-caetano. É uma trepadeira de belo aspecto, com frutos amarelo-dourados, e é encontrada em vários estados brasileiros. Utiliza-se o sumo e o pó do fruto, que possuem ação hipoglicemiante, graças à presença de um polipeptídeo. Existem controvérsias a respeito de uma possível toxicidade com o uso prolongado. cuidado

melão melao
Melão-de-São-Caetano Fruto do Melão-de-São-Caetano

-Urtiga-vermelha (Urtica urens L.) também conhecida como urtiga-da-miúda. Suas folhas usadas em saladas e cozidos parecem ter discreto efeito hipoglicemiante.

   
   

-Stévia (Stevia rebaudiana Bert.) é um arbusto perene, que pode alcançar um metro de altura e é facilmente encontrado, em toda a América do Sul. É utilizada como substituto do açúcar, graças a seu poder adoçante, 300 vezes maior que o do açúcar comum. Existem ainda estudos recentes (1986 e 1991), que trazem a confirmação do aumento da tolerância à glicose, em indivíduos diabéticos e normais, e de um efeito hipoglicemiante e hipotensor provocado por alguns dos glicosídeos presentes na planta. Deve-se tomar alguns cuidados, porque também possui efeito cardiotônico. ok

stevia pedra ume caá
Stévia Pedra Ume Caá

-Pedra Ume Caá (Myrcia salicifolia, Myrcia uniflorus) também conhecida como insulina vegetal. É um arbusto de médio porte, que cresce nas regiões mais secas da Amazônia e em outra partes do Brasil. Possue pequenas folhas verdes e flores vermelho-alaranjadas. Estudos comprovam sua ação hipoglicemiante, produzida pela melhoria dos parâmetros metabólicos da utilização da glicose. Foi demonstrada também a queda dos níveis de insulina no plasma. O chá, produzido pela decocção de suas folhas, é a forma de uso mais utilizada. ok

Saúde SAUDE HOME HOME