Make your own free website on Tripod.com

VANILLA FUDGE

Rock´n roll rock´n roll HOMEhome

Atualização em: 08 Feb 2008

Conteúdo

perfil ideologia discografia Links na net poesia galeria de fotos
logoLogotipo

Perfil

Mark Stein *11/março/1947, Nova Jersey, E.U.A.; orgão
Vince Martell *11/novembro/1945, Nova Iorque, Nova Iorque, E.U.A.; guitarra
Tim Bogert *27/agosto/1944, Richfield, Nova Jersey, E.U.A.; baixo
Joey Brennan ; baterias
Carmine Appice *15/dezembro/1946, Nova Iorque, E.U.A.; baterias

Enquanto a cena do rock 'n' roll, no fim dos anos sessenta, era dominada por grupos britânicos e da costa oeste norte americana, o VANILLA FUDGE forneceu um pouco do sabor do leste para a mistura. Em 1965, Mark Stein (orgão), Tim Bogert (baixo) e Joey Brennan (baterias) formaram a banda The Electric Pigeons, em Long Island, Nova York, inspirados nos (Young) Rascals. Logo o nome ficou reduzido, para apenas The Pigeons.
Este grupo de rock, em dezembro de 1966, se transformou no VANILLA FUDGE. Brennan foi mais tarde substituído por Appice. O VANILLA FUDGE estabeleceu um estilo pelo qual, canções contemporâneas eram rearranjadas com muita imaginação; a banda foi apresentada ao produtor Shadow Morton que tinha a reputação de entender bastante do pop, gerenciando o grupo Shangri-Las.
O VANILLA FUDGE foi logo lançado pela sua gravadora a ATCO. O quarteto fez fama imediata, com uma regravação, em 1968, de uma canção que havia feito um relativo sucesso em 1967, com as Supremes, 'You Keep Me Hanging On', com um arranjo elaborado, de tal forma que seria a marca registrada do grupo. O andamento mais lento, tocando harmonias baseadas no gospel, aproveitando o clima de psicodelia do fim dos anos 60, marcaram uma primazia para o álbum de lançamento do grupo que apresentava versões super produzidas das canções ' People Get Ready' dos Impressions, 'Bang Bang' de Sonny And Cher e 'Eleanor Rigby' e 'Ticket to hide' dos Beatles. Por esse motivo, o VANILLA FUDGE pode ser considerado (junto com o Nice), precursores do chamado rock sinfônico, que faria a glória do Yes, Pink Floyd, Moody Blues e outros.
Em 1968 eles chegaram em San Francisco, encabeçando uma apresentação histórica no Fillmore West com a Steve Miller Band. O terceiro LP da banda, Renaissance (1968), também chegou nas paradas de sucessos, se igualando ao Cream, à Hendrix, e aos Doors. Inclusive, o VANILLA FUDGE, abria os shows do Cream na tournée americana 'Farewell'. O álbum seguinte The beat goes on chega ao 17º lugar. No início de 1969 a banda participou de uma tournée americana com o Led Zeppelin.
A audácia destas primeiras gravações presumia-se impossível repetir indefinidamente. As seleções posteriores mostraram um grupo impossibilitado de criar material original do calibre dos primeiros álbuns. Gravações subseqüentes evidenciaram uma mudança de rumo, para algo mais simples: um afiado hard-rock. Em setembro de1969, o VANILLA FUDGE lançou o LP final , Rock & Roll. E no dia 14 de março de 1970, a banda deu seu adeus, num concerto na Phil Basille's Action House.
Quando o VANILLA FUDGE se dividiu, o baixista e o bateirista permaneceram juntos algum tempo, na banda de hard rock Cactus antes de se unirem a Jeff Beck e montarem o supergrupo Beck, Bogert & Appice. Stein trabalhou com Tommy Bolin e Alice Cooper antes de forjar uma nova carreira compondo jingles comerciais, enquanto Martell apareceu depois nos Good Rats, uma banda popular de Long Island. O grupo retomou o trabalho brevemente em 1983 e lançou Mystery. Ainda se reuniram por duas vezes (em 1987 e 1988), para pequenas tournés. Em 1993, ainda foi lançado Concert Collection, com performances ao vivo destas reuniões. Agora, na década de 90 a RHINO tem colocado em CDs, a produção do grupo, para alegria daqueles que gostam de música não descartável.

voltar ao início

IDEOLOGIA

Apesar de terem composto mais de trinta canções, ainda não tive acesso a letra de nenhuma delas.

DISCOGRAFIA

Vanilla Beat goes on rennassaince
Vanilla Fudge Near the begining The beat goes on Rennassaince
rock and roll very best live best
Rock & Roll The very best of Vanilla Fudge The best of Vanilla Fudge Live The best of Vanilla Fudge
Mystery single carmine appice
Mystery You keep me hangin´on (single) Carmine Appice voltar ao início

LINKS NA NET

http://vanillafudge.com/contents.htm - HOME PAGE da banda
http://viablesoftware.com/vanilla/main.htm - HOME PAGE não oficial, mas com informações e links
http://www.imusic.com/cgi-bin/search/search.cgi?search=Vanilla~+~Fudge
http://www.carmineappice.com/ - HOME PAGE de Carmine Appice
http://www.mark-stein.com/ - HOME PAGE de Mark Stein
http://www.liglobal.com/ent_fun/music/li-rock/vanilla.html
http://www.ubl.com/ubl/cards/010/9/86.html

voltar ao início

POESIA

You Keep Me Hangin' On
( Dozier, Holland, and Holland)

Set me free why doncha babe Get out of my life why doncha babe
Cuz you don't really love me, you just keep me hangin' on
You don't really need me but ya keep me hangin' on
Why do ya keep a'comin' around playin' with my heart
Why doncha get out of my life and let me make a new start
Let me get over you the way you've gotten over me-hey Set me free why doncha babe
Let me be why doncha babe
Cuz you don't really love me, you just keep me hangin' on
Now you don't really want me, you just keep me hangin' on
You say although we broke up you still wanna be just friends
But how can we still be friends when seein' you only breaks my heart again
SPOKEN: <And there ain't nothin' I can do about it> Whoa-oh-oh
Set me free why doncha babe (Whoa-oh-oh)
Get out of my life why doncha babe (Whoa-oh-oh) Set me free why doncha babe
Get out of my life why doncha babe
You claim you still care for me but your heart and soul need to be free
And now that you've got your freedom you want to still hold on to me
You don't want me or yourself so let me find somebody else, hey hey
Why doncha be a man about it and set me free
Now you don't care a thing about me, you're just usin' me-go on
Get out, get out of my life and let me sleep at night
FADE: You don't really love me, you just
voltar ao início

Rock´n roll rock´n roll

HOME home

José Roberto Miccoli
mikkolee@uol.com.br